Time GRANDE!

Como você sabe que um time é Grande, mas GRANDE, mesmo? Quando os torcedores de TODOS os outros times torcem contra ele, oras!

Do proprietário deste blog, Marcos Doniseti.

sábado, 18 de julho de 2009

A Libertadores, a Globo, o Eixo RJ-SP e o Futebol Globalizado!

O Futebol Globalizado!


Existe, no Brasil, hoje, uma tendência a se promover uma super-valorização da Taça Libertadores da América. Que ela é o principal torneio de futebol da América do Sul, não se questiona. Mas, a vida e a existência de um clube não pode se limitar a ganhar uma Libertadores. Os demais torneios também têm a sua importância.

Vejam o caso do Palmeiras: depois que o mesmo ganhou a Libertadores, em 1999, poucos o time palestrino venceu um Campeonato Paulista em 2008 e mais nada. É muito pouco para um time com a força e a tradição do Palmeiras. Então, depois da conquista da Libertadores, em 1999, o Palmeiras encolheu em vez de crescer.

Com relação ao que a Globo transmite, é claro que ela privilegia a audiência, pois é uma emissora comercial aberta. E a concessão dela foi aprovada pelo Congresso Nacional. E a Globo claramente privilegia os clubes de maior torcida do país, que são os do Eixo RJ-SP, principalmente o Flamengo e o Corinthians, que tem as 2 maiores torcidas do país.

Os times do RJ e de SP sempre foram os melhores do Brasil e isso não começou agora. Basta ver a escalação das Seleções Brasileiras Tricampeãs Mundiais de 1958, 1962 e 1970 para se perceber que essa hegemonia do eixo Rio-SP, no futebol brasileiro sempre existiu e já foi bem maior do que atualmente.

Vejam a escalação Seleção Brasileira Campeã Mundial de 1958:

Gilmar - Corinthians
Djalma Santos - Portuguesa-SP
Bellini - Vasco
Orlando - Vasco
Nilton Santos - Botafogo

Zito - Santos
Didi - Botafogo

Garrincha - Botafogo
Vavá - Palmeiras
Pelé - Santos
Zagallo - Flamengo

Viram algum jogador de MG ou do RS nesta relação? Não, não é mesmo?

Entre os reservas campeões mundiais de 1958 a situação não era diferente. Em 1962, essa hegemonia do eixo Rio-SP na Copa do Mundo se repetiu. O time titular campeão mundial de 1962 foi o mesmo de 1958. Mudou-se apenas a dupla de zaga, com Mauro e Zózimo (reservas em 1958) tornando-se titulares em 1962.

E mesmo em 1970 isso ocorreu. Tivemos Tostão e Piazza, do Cruzeiro, no time titular, mas eram exceções. Mas, a imensa maioria dos jogadores convocados para a Seleção Tri-Campeã Mundial de 1970 continuava sendo do eixo Rio-SP.

Assim, tal hegemonia do eixo Rio-SP existiu enquanto os principais jogadores do futebol brasileiro atuavam no país.

Somente depois que começaram a debandar em massa para a Europa e outros mercados (Oriente Médio, por exemplo) é que isso mudou.

A convocação da Seleção Brasileira de 1982, que foi a última grande representante do Futebol-Arte brasileiro, mostrava o claro predomínio do futebol do eixo RJ-SP. Dos 22 convocados, 14 atuavam em times cariocas ou paulistas, 3 jogavam no RS e 3 em MG. Apenas 2 atuavam no exterior (Falcão e Dirceu).

Portanto, tal hegemonia do eixo RJ-SP existe desde o início do futebol no Brasil, na verdade.

Os times do RJ sempre foram muito mais populares no Norte/Nordeste do país do que os de outros estados e por um motivo muito simples.

Na Era de Ouro do Futebol carioca (anos 50-60-70 principalmente) os times do RJ faziam inúmeros amistosos, todos os anos, nestas regiões, levavam todos os seus craques (Garrincha, Didi, Nilton Santos, etc) para estes amistosos e, com isso, conquistaram uma torcida imensa no Norte/Nordeste do país.

E isso não tem nada a ver com a Rede Globo, como alguns pensam por aí.

Aliás, até antes de surgir o Santos de Pelé, os times do RJ sempre foram os melhores do país. Vejam que na Copa de 1950, dos 11 titulares do Brasil, 6 jogadores eram do Vasco. E aquela foi uma seleção fantástica que perdeu o título porque entrou no 'já ganhou' e subestimou o Uruguai, que tinha uma seleção forte e competitiva, sim.

E a tal 'lógica mercadista' para o futebol, que muitos criticam, já está mais do que consolidada e estabelecida no futebol mundial.

Antes da Copa do Mundo de 2006, o Campeão Mundial Beckenbauer veio para o Brasil e concedeu algumas entrevistas e quando questionado sobre isso, disse que já funcionava assim na Europa e que tal situação era irreversível.

Goste-se ou não, mas o fato é que o romantismo no Futebol acabou há muito tempo. Não há mais espaço para cartolas amadores e nem incompetentes e nem para times de pouca torcida no futebol de alto nível que se pratica no mundo todo, atualmente.

Aí estão as recentes negociações de Cristiano Ronaldo e de Kaká que não me deixam mentir...

Tudo, hoje, no Futebol gira em torno disso: dinheiro, audiência, patrocínios, marketing. Business, enfim.

O Futebol virou mais um segmento altamente lucrativo da gigantesca indústria mundial do Entretenimento, que também fatura e movimenta horrores, no mundo inteiro. Aliás, pelo que eu saiba, esta é a maior 'indústria' do mundo.

Tempos atrás eu li que o Entretenimento, em todas as suas facetas (música, cinema, esportes, etc), é o principal item da pauta de exportações dos EUA, superando até as indústrias de aviação ou armamentista.

Nesse mundo do Futebol globalizado e bilionário não haverá mais espaço para os Genoas, West Hams, XVs de Jaú ou Juventus da Rua Javari.

Juventus, só se for a de Turim, mesmo.

Antigamente os grandes clubes europeus faziam a sua pré-temporada apenas na Europa. Hoje, eles fazem isso nos EUA, na Ásia, pelo mundo afora, enfim, aonde eles forem pagos, e muito bem pagos, para fazer tal pré-temporada.

Até a pré-temporada dos grandes clubes europeus, hoje, é objeto de negociação e os clubes a utilizam para engordar um pouco mais os seus cofres.

Li hoje que somente com o marketing em cima do Kaká o Real Madrid irá faturar cerca de 100 milhões de Euros POR ANO. Assim, em APENAS 1 ano, o Real Madrid já irá recuperar todo o INVESTIMENTO feito para contratar Kaká e já terá lucro em cima do mesmo, que foi 'comprado' por 'apenas' 65 milhões de Euros.

Quanto à audiência, o fato concreto é esse: quando a Globo transmite jogos do Corinthians e do Flamengo a audiência é muito maior do que quando ela transmite jogos do São Paulo, do Cruzeiro ou do Fluminense.

E como eu já disse, essa hegemonia do eixo Rio-SP já existia muito antes da Rede Globo sequer existir. Ela não construiu tal hegemonia, portanto.

A Rede Globo é uma rede COMERCIAL que visa o lucro e, para isso, precisa de audiência.

Se futuramente os jogos do Cruzeiro começarem a dar mais audiência, de maneira que compense ser transmitidos, eles serão exibidos em número muito maior do que hoje, é claro.

Enquanto isso não acontecer, a Globo continuará dando preferência para os clubes de maior torcida do Brasil, que são Flamengo e Corinthians.

E a Globo pagou para transmitir o Brasileiro e muitos clubes já receberam as verbas, da emissora, antecipadamente, dos próximos anos.

Então, os clubes brasileiros não têm nem como reclamar desta situação. Eles têm mais é que passar a ser geridos como empresas, de maneira profissional e competente, visando o lucro, mesmo. Não há outra saída.

Futebol virou Business, goste-se ou não disso.

Um comentário:

  1. Caro Marcos gostei de seu comentário apenas contesto algumas coisas:Até a primeira metade dos anos 60 realmente o futebol do Eixo Rio-São Paulo mandava absoluto no futebol do Brasil o panorama começou a mudar a partir da segunda metade dos anos 60 com o crescimento do futebol mineiro a partir da inauguração do Mineirão com aquele maravilhoso time do Cruzeiro e depois logo em seguida com o Atlético, também houve o crescimento vertiginoso do futebol gaúcho com o Internacional e o Grêmio com grandes campanhas nos Robertões em que pese Internacional e Grêmio já tivessem tido colocações honrosas nas antigas Taças Brasil com o Inter em um 3 lugar e o Grêmio com três quarto lugares marcados depois com vários títulos nacionais e internacionais,quando falas na Copa de 1970 teve quatro jogadores de Minas entre os 22 convocados e um gaúcho sendo que foram titulares Tostão,Piazza e Everaldo,quando da popularidade dos clubes cariocas no Norte e Nordeste foi mais porque o Rio de Janeiro era a capital do Brasil, tinha um campeonato forte e a Rádio Nacional era muito famosa e forte na época nos anos 40,50, 60

    ResponderExcluir