Time GRANDE!

Como você sabe que um time é Grande, mas GRANDE, mesmo? Quando os torcedores de TODOS os outros times torcem contra ele, oras!

Do proprietário deste blog, Marcos Doniseti.

domingo, 29 de maio de 2011

Barça: o novo Santos de Pelé!!! - por Benjamin Back!


Barça: o novo Santos de Pelé!!! - por Benjamin Back

Tive o inenarrável prazer de estar ao vivo no Wembley Arena para ver o maior time de futebol que vi jogar na vida até hoje: o Barcelona!

Abri mão da credencial de imprensa para poder acompanhar essa máquina no meio da sua fanática torcida, o que, diga-se de passagem, foi outra experiência muito legal e diferente.

Seus torcedores não param de cantar um minuto sequer, sejam eles crianças, mulheres, pessoas de mais idade, enfim, a alegria dessa torcida é contagiante. A cada jogada do Messi, seu nome é gritado e os braços de todos se movem como se um santo fosse reverenciado, é emocionante!

O Real Madrid é sempre citado nas provocações, como a principal delas: Madrid cagón saluda el campeón! Piqué é chamado de Piquenbauer. Xavi e Iniesta são endeusados, Abidal é adorado, ou seja, tanto o time do Barça merece essa torcida como vice-versa, pois, o orgulho de ambos é recíproco.

Talvez o mais velhos estejam me xingando devido ao título dessa coluna, e em nenhum momento estou querendo comparar Pelé a Messi, porém, o mundo hoje se curva a maior potência futebolística da atualidade!

Ao ver esse time postado em campo, a impressão que passa é que eles entram com dois jogadores a mais, e acreditem: teve um momento no jogo que realmente comecei a contar porque não era possível que o Manchester tinha o mesmo número de jogadores que o Barcelona!

E o toque de bola desse time? Não tem chutão pra frente, não existe afobação, ou seja, o cara pra jogar no Barcelona talvez não precise ter tanta habilidade, mas, se não for inteligente, a probabilidade dele dar certo é zero!

Sim, é preciso sempre respeitar e preservar o passado, no entanto, se aquele poderoso Santos ficou conhecido por Pelé, Zito, Mengálvio, Coutinho entre outros, esse Barcelona de Messi, Xavi, Iniesta, Piqué também não fica nada atrás, inclusive, se o
Manchester que também possui uma equipe muito forte e que tem o Rooney que joga demais, não viu a cor da bola, imaginem os outros…

THE MAN!

Messi foi eleito o craque do jogo. Nada mais justo, pois, o que esse argentino joga não é normal! E na saída de Wembley a frase mais ouvida era: He is the man!

O OUTRO LADO!

O público presente em Wembley foi de 87.695 pessoas. Não vi uma confusão sequer. A organização, civilidade, conforto, educação tanto dos torcedores quanto dos funcionários do estádio deixam qualquer brasileiro embasbacado! Para vocês terem uma idéia, no intervalo da partida, uma equipe de cerca de vinte pessoas entra no campo para arrumar qualquer problema que possa ter acontecido com a grama, é mole? Os corredores internos davam a impressão que estava num shopping Center, os sanitários extremamente limpos e claro, decentes. O acesso ao meu setor era por escadas rolantes e a saída sem qualquer tipo de tumulto. Enfim, um mundo civilizado totalmente diferente do nosso…

Link:

http://blogs.lancenet.com.br/benja/2011/05/29/barca-o-novo-santos-de-pele/

FC Barcelona - Els Barça Toons celebren el doblet

FC Barcelona - Os 4 Títulos da Liga dos Campeões!

FC Barcelona - A Festa do Tetra da Liga dos Campeões!

Barcelona 3 x 1 Manchester United - Liga dos Campeões - 28/05/2011

sábado, 28 de maio de 2011

Sem pressa para definir o lugar de Messi na história. Vamos desfrutar!


Sem pressa para definir o lugar de Messi na história. Vamos desfrutar - por Leonardo Bertozzi

Haverá muito tempo para a história se encarregar de registrar o lugar de Lionel Messi entre os grandes do futebol. Se hoje, aos 23 anos, seu nome já é citado ao lado dos maiores gênios que o esporte já viu, imagine o que ainda pode acontecer daqui em diante. Porque não sabemos se ele já alcançou seu auge.

Seus números crescem em progressão assustadora. 38 gols na temporada 2008/09. 47 em 2009/10. Termina a temporada 2010/11 com 53 gols. Nas três campanhas ele foi artilheiro da Champions League.

Títulos? Já são quinze. Três da Champions, um Mundial de Clubes, cinco ligas espanholas. Quatro Supercopas europeias e uma espanhola, além de uma Copa do Rei.

Mas não são apenas os números a exaltar Lionel Messi. São os lances de seu imenso repertório. Bem mais que o gol de fora da área na final contra o Manchester United. Também a "caneta" em Vidic. E a arrancada por entre os marcadores antes do aliviante 3 a 1 de Villa.

Não cola mais a desculpa de que Messi tem seus momentos de genialidade em um desequilibrado Campeonato Espanhol. Ele faz a qualquer hora. Contra qualquer um.

Na última atuação tão impressionante de um time em uma final de Champions, o Barcelona estava do lado oposto: os 4 a 0 do Milan de Capello em 1994. Se não copiou o placar, copiou a autoridade do time rossonero naquela noite. Talvez tenha até superado, graças ao argentino.

Pep Guardiola afirmou que Messi é o melhor jogador que já viu, e não acredita que verá um melhor. "Temos grandes jogadores, mas ele faz a diferença, e sem ele não teríamos esse algo mais em qualidade. Ele é único", descreveu o treinador na coletiva pós-jogo.

É difícil atribuir a Messi uma posição. Não é apenas meia, não é apenas atacante. Não é centroavante, apesar de ser goleador. É como Cruyff no magistral Ajax tricampeão europeu no início dos anos 70, um dos melhores intérpretes do que se chamou "futebol total". Ou como Hidegkuti na fenomenal Hungria da década de 50.

Na história da Copa dos Campeões, nomes como Di Stéfano, Van Basten e Zidane já merecem a companhia de Messi no rol dos maiorais.

O que Messi ainda pode alcançar? As glórias com a seleção argentina. Em julho, terá uma Copa América em seu país, onde poucas vezes atuou como profissional. Pode ser o protagonista do título que acabaria com um jejum de 18 anos para a Albiceleste. E em 2014, no Brasil, terá a oportunidade de se transformar de gênio em lenda.

Tudo isso o tempo dirá. Mas Messi, cada dia mais, dá a sensação de que a Copa do Mundo precisa mais dele do que o contrário.

Link:

http://espn.estadao.com.br/leonardobertozzi/post/194324_SEM+PRESSA+PARA+DEFINIR+O+LUGAR+DE+MESSI+NA+HISTORIA+VAMOS+DESFRUTAR

Messi - Todos os 53 Gols na temporada 2010/2011 pelo Barcelona Campeão Espanhol e Europeu!

Messi iguala recordes, é eleito melhor da final e vira mito!


Messi iguala recordes, é eleito melhor da final e vira mito

Argentino marcou 12 gols na Liga dos Campeões e se tornou artiilheiro pelo terceiro ano seguido

Paulo Passos, iG São Paulo | 28/05/2011

Messi festaja título e recordes em mais uma temporada impecável

Um jogo impecável, mais um título na carreira e a prova de que virar um mito aos 23 anos é possível. Ao marcar em Wembley contra o Manchester United e dar mais uma Liga dos Campeões ao Barcelona, Lionel Messi fez tudo isso. Mais, igualou dois recordes do torneio europeu.

Ao fazer 12 gols nesta edição da Liga dos Campeões, o craque argentino igualou o feito de Van Nistelrooy. Somente os dois atacantes conseguiram marcar tantas vezes em uma só edição do torneio.

Messi também repetiu o feito de ser artilheiro do principal torneio europeu por três vezes seguidas. Papin, em 89/90, 90/91 e 91/92, e Gerd Müller, em 72/73, 73/74 e 74/75, já tinham conseguido a sequência. Na temporada 2010/11, Messi marcou 56 gols, 53 com o Barça e três com a seleção da Argentina.

Link:

http://esporte.ig.com.br/futebol/messi+iguala+recordes+e+eleito+melhor+da+final+e+vira+mito/n1596985820035.html

Títulos conquistados pelos grandes clubes de SP entre 1995 e 2016! - por Marcos Doniseti!

Títulos conquistados pelos 4 times grandes de São Paulo entre 1995 e 2016!- por Marcos Doniseti!

(atualizado em 06 de Maio de 2017)



Fiz um levantamento sobre os títulos conquistados pelos 4 Grandes times de SP nos últimos 21 anos (período de 1995 a 2016) e descobri o seguinte:


1) Corinthians - 21 Títulos (14 no século XXI):


8 Paulistas - 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2009, 2013; 2017;

5 Brasileiros - 1998, 1999, 2005, 2011; 2015;
3 Copas do Brasil - 1995, 2002, 2009;
1 Rio-SP - 2002;
1 Recopa Sul-Americana - 2013;
1 Libertadores - 2012;
2 Mundiais de Clubes da FIFA - 2000; 2012.

2) Santos - 14 Títulos (12 no século XXI):


1 Libertadores - 2011;

1 Copa do Brasil - 2010;
1 Recopa Sul-Americana - 2012;
1 Conmebol - 1998;
7 Paulistas - 2006, 2007, 2010, 2011, 2012, 2015; 2016;
1 Rio-SP - 1997;
2 Brasileiros - 2002, 2004.

2) São Paulo - 11 Títulos (9 no século XXI):


3 Paulistas - 1998, 2000, 2005;

1 Rio-SP - 2001;
1 Super-Campeonato Paulista - 2002;
1 Copa Sul-Americana - 2012;
3 Brasileiros  -2006, 2007, 2008;
1 Libertadores - 2005;
1 Mundial de Clubes da FIFA - 2005.

4)) Palmeiras - 10 Títulos (4 no século XXI):


2 Paulistas - 1996, 2008;

1 Rio-SP - 2000;
3 Copas do Brasil - 1998, 2012, 2015;
1 Brasileiro - 2016;
1 Copa dos Campeões- 2000.
1 Copa Mercosul - 1998;
1 Libertadores - 1999.

Link:

Corinthians lidera ranking de conquistas nacionais e internacionais:

http://sportv.globo.com/site/programas/selecao-sportv/noticia/2015/11/corinthians-chega-ao-11-titulo-nos-ultimos-20-anos-e-amplia-hegemonia.html

Mauro Beting: Messi é mais que um gênio e Barcelona é mais que um clube!


Barcelona 3 x 1 Manchester United - por Mauro Beting!

Messi é mais que um gênio, Barcelona é mais que um clube agora tetracampeão europeu. O mosaico da torcida blaugrana “We Love Football” não é só um lema, é admiração recíproca. Eles amam o futebol espetacular desse time como a bola é apaixonada pela equipe de Iniesta, Xavi e Guardiola. Um time que há 185 jogos seguidos tem mais posse de bola que qualquer rival. Uma equipe que não tem adversário nos últimos 40 anos no futebol mundial.

O United até então invicto (como na final de Roma, em 2009) foi melhor nos primeiros 10 minutos – como há dois anos, marcando à frente. Depois, com o recuo natural, e pela posse absurda do Barça, as bolas voltaram aos seus lugares. O Barça de sempre, com Messi saindo mais da área, Pedro à esquerda, Villa na direita, e Mascherano marcando o isolado Chicharito (pelo desconforto muscular que deixou Puyol no banco). Rooney era o meia-atacante do 4-4-1-1 de Ferguson, travando Busquets. Valencia fechava para seguir Iniesta, Park corria atrás de Daniel Alves e, às vezes, à frente de Messi, Giggs cercava Xavi. Carrick deveria bloquear o argentino, dando um pé a Ferdinand e Vidic.

No papel, ótimo. Na prática, o Barça foi tecendo as conexões, estabelecendo seus intermináveis e intricados conduítes, e o gol era questão de Xavi (livre) achar Pedro (ainda mais livre) e abrir o placar, aos 26. Aos 33, belo (e irregular) gol de Rooney empatou um jogo que já era catalão. E ficaria ainda mais na segunda etapa.

Valdés não fez uma defesa difícil. Van der Sar, em sua despedida de brilhante carreira, fez três. Mas talvez pudesse fazer algo mais quando Messi, aos 8, recebeu livre, limpou à frente de Vidic, e desempatou. Doze gols em 12 jogos da Liga. Mais um golaço dos sete titulares da base barcelonista, responsável por 70% dos gols da equipe em 2010-11.

O terceiro, de Villa, aos 23, nasceu da enésima sucessão de dribles de Messi, e um golaço no ângulo do United. Para a festa merecida em que, até para erguer o troféu, o Barcelona passou a bola a um companheiro. O capitão Puyol deixou que Abidal, operado em março de um tumor no fígado, erguesse o terceiro título europeu deste século ao melhor time do mundo desde 2001 – sem discussão. Ao maior time da história barcelonista – idem.

E, insisto, como a bola insiste em se insinuar para Messi, a melhor equipe que vi desde 1972, quando era garoto, e passei a ver e amar futebol.

Não por acaso, um time com gente que se adora e é amada pela bola desde que jogavam de meninos, na cantera de La Masia, casa dos niños do Barcelona tetracampeão europeu.

Para o bem do futebol, depois de uma final onde o grande vencedor foi o próprio esporte, que venha o Santos de Neymar e Ganso, no Mundial do Japão.

Link:

http://blogs.lancenet.com.br/maurobeting/2011/05/28/barcelna-3-x-1-manchester-united/

Barcelona é o grande clube deste 11 anos de século 21!


Barcelona definitivamente entre os gigantes europeus da história - por Fernando Vives


Barcelona é o grande clube deste 11 anos de século 21

O quarto título europeu do Barcelona catapulta o clube catalão a estar na lista dos clubes gigantes europeus também em conquistas – o Barça agora se junta a Ajax e Bayern de Munique com quatro taças erguidas, atrás apenas de Real Madrid (9), Milan (7) e Liverpool (5).

Até o início da década passada, o Barcelona tinha um grande mérito em transformar seu carisma em um fenômeno de marketing. Com apenas um título europeu conquistado (em 1992), o clube era um dos mais populares do mundo – talvez até o mais popular. Mas faltava a chancela dos títulos. E nesse século isso aconteceu. O clube conquistou três das últimas seis Ligas dos Campeões, tornando-se o maior vencedor da maior competição de clubes do mundo.

Mais que os títulos, o Barcelona vende sua filosofia de existir.

Primeiro, é a grande representação do orgulho catalão, uma comunidade autônoma da Espanha que há muito tempo sonha em ser um país independente da Espanha porque, segundo seus argumentos, tem sensíveis diferenças culturais em relação aos espanhóis.

Segundo, sua filosofia futebolística que consiste em técnica apurada, toque de bola e uma sucessão impressionante de golaços. Para o Barcelona, não existe a possibilidade de vencer se não for com espetáculo.

Terceiro, em tempos de crise econômica gravíssima na Europa, aliada a um sensível pedido da Uefa para que os clubes europeus priorizem a revelação de jogares em relação a compra desenfreada de atletas, o Barça ergue a taça com um time composto majoritariamente de atletas revelados em suas categorias de base.

Quarto, pelo fenômeno que é o argentino Lionel Messi, que aos 23 anos já é um dos maiores nomes da história do futebol mundial em todos os tempos. Ele joga bem em praticamente todas as partidas decisivas do Barça. No ritmo atual, vai ser impossível ele chegar ao fim da carreira sem ser um dos cinco maiores jogadores desde que o futebol existe. Além do que, ele é um retrato de que as categorias de base do Barcelona funcionam fantasticamente e se apresenta como grande representante do futebol técnico que o clube apresenta.

——–

Especificamente quanto a vitória de hoje sobre o Manchester United, fatos relevantes:


- A surpresa da ausência de Puyol, provavelmente sem condição de jogo por conta do histórico recente de contusões que vem sofrendo. Mascherano, seu substituto, foi perfeito. Criticado no início de sua trajetória no clube, por dar pontapés demais e ser menos técnico que o nível que o futebol dos catalães exige, ele tem jogado bem e foi impecável na final de Wembley.

- Eu duvidava que Abidal tivesse condições de jogar 90 minutos hoje. Imaginava até a presença do brasileiro Adriano como titular na lateral-esquerda. Pois Abidal entrou, jogou muito e, num gesto emocionante, Puyol o deixou erguer a taça na comemoração. Prova de que, além de jogar um futebol fantástico, o elenco do Barcelona deve ter um clima ótimo.

- David Villa teve um início de temporada brilhante, mas desde março vinhando deixando a desejar no Barcelona. Seu golaço nessa final o redime. Joga muito, é ídolo e ainda pode ser muito bem sucedido com essa camisa.

- O passe de Xavi Hernández no primeiro gol da partida, de Pedro, é uma pintura. É um resumo do que esse meia faz em campo. Um cracaço discreto. Nos replays em câmera lenta dá pra ver que ele nunca está olhando para a bola. Ele sempre a recebe enquanto já articula para quem vai passá-la. Um fenômeno.

- Lionel Messi já deveria ser nome de escolas em qualquer país do mundo que gosta de futebol. É o melhor jogador do mundo em 2009, em 2010, em 2011, e tem tudo pra ser em 2012, em 2013, 2014, 2015…

Link:

http://colunistas.ig.com.br/futebolespanhol/2011/05/28/barcelona-definitivamente-entre-os-gigantes-europeus-da-historia/

Ferguson se rende ao futebol arte do Barça: ‘Melhor time que já enfrentei’!


Ferguson se rende ao futebol arte do Barça: ‘Melhor time que já enfrentei’

Técnico do Manchester United diz que esperava um pouco mais do seu time, mas que não é vergonha ser derrotado pelo clube catalão

Por GLOBOESPORTE.COM Londres

Considerado um dos melhores técnicos do mundo, Sir Alex Ferguson reconheceu a superioridade do Barcelona diante do seu Manchester United, neste sábado, na decisão da Liga dos Campeões. Com um show de Messi, Villa e companhia, o clube catalão bateu os Red Devils por 3 a 1 e ficou com o caneco do torneio (assista aos melhores momentos no vídeo ao lado).

Segundo Ferguson, de 69 anos e que está à frente do clube inglês desde 1986, o Barça é a melhor equipe que já encarou em quase as quatro décadas que trabalha como treinador.

- Eles nos impressionaram com seu toque de bola. Nunca conseguimos controlar Messi, mas muitos times nas últimas temporadas também não. O Barcelona é o melhor time que já enfrentei e agora nosso desafio é melhorar mais e mais. Eu esperava que nós fossemos um pouco melhores, mas no final do dia tive a certeza de que fomos batidos por uma equipe melhor. Não existe vergonha em perder para o Barcelona.

Polêmica Berbatov

Artilheiro do Campeonato Inglês, o búlgaro Berbatov sequer foi relacionado por Alex Ferguson para o banco de reservas do duelo contra o Barça. Segundo a imprensa inglesa, o atacante, revoltado com a decisão, deixou Wembley pouco antes do apito inicial. No entanto, de acordo com Ferguson, o atleta assistiu ao jogo dos vestiários.

Link:

http://globoesporte.globo.com/futebol/liga-dos-campeoes/noticia/2011/05/ferguson-se-rende-ao-futebol-arte-do-barca-melhor-time-que-ja-enfrentei.html

ET chamado Messi escreve página dourada do futebol em Wembley!


Esse não é só um bom time. Com Messi e o Barça estamos vendo história ser escrita

por Julio Gomes, para o ESPN.com.br

Ver Lionel Messi em campo é um privilégio. Sei que muita gente gostaria de ter visto in loco a final de Wembley, e serei grato pra sempre, a sei lá quem, a muita gente, por estar vendo minha quarta final europeia. Eu também gostaria que todos pudessem ver Messi ao vivo. Porque ver Messi é praticamente uma dádiva dada a todos os que vivemos hoje e gostamos de futebol.

Eu não sei quantos jogos de Pelé os mais antigos viram ao vivo ou pela TV. Não sei quantos viram de Maradona. Eu sei sobre os que eu vi de Messi, e eu nunca vi nada parecido com esse rapaz. E tenho lá minhas dúvidas se alguém fez. Se alguém fez TANTAS VEZES, toda semana, desse jeito. Fica a interrogação.

Hoje, o Manchester United tentou. Arriscou, talvez tenha arriscado demais. Mas o fato é que, se o Barcelona está inspirado, se joga o que pode, ninguém consegue pará-lo. Como eu já disse algumas vezes, essa era começou lá atrás, em 2003. Na verdade, foi retomada em 2003 e se transformou em uma época.

A performance desta final mostra que esse time não é só um bom time. É tão difícil vermos finais boas, bem jogadas, devido ao equilíbrio, tensão, etc..... E o que vimos foi uma das melhores performances de um time já vista. Contra um timaço, contra uma equipe completíssima, que é a do Manchester United.

O Barça dominou todos os aspectos do jogo. É um time de outro mundo, e o que espero é que esse jeito de jogar seja mais e mais e mais copiado.

Vimos história ser contada em Wembley. É uma página dourada da enciclopédia do futebol escrita por esse ET chamado Messi.

Link:

http://espn.estadao.com.br/juliogomes/post/194295_ESSE+NAO+E+SO+UM+BOM+TIME+COM+MESSI+E+O+BARCA+ESTAMOS+VENDO+HISTORIA+SER+ESCRITA

Messi foi o diferencial do Barcelona na conquista da Champions!


Messi foi o diferencial do Barcelona na conquista da Champions; veja todos os gols

por Julio Gomes, de Londres (Inglaterra), com redação do ESPN.com.br


O time é bom, e ninguém ousa duvidar disso. A vitória por 3 a 1 sobre o Manchester United neste sábado, em Wembley, serviu para coroar de vez o Barcelona como o time que melhor joga futebol no mundo. Mas muitos fazem a pergunta: A coisa seria a mesma sem Lionel Messi? Possivelmente, o estilo seria mantido. Os resultados, não se sabe.

Messi atuou nas 13 partidas do Barcelona na Champions e marcou impressionantes 12 gols (dos 30 do time) - será o artilheiro da competição pela terceira vez consecutiva. Nas nove vitórias, em cinco oportunidades Messi marcou o primeiro gol, aquele que abriu o caminho para o resultado. Houve jogos, como a goleada contra o Shakhtar Donetsk nas quartas de final, em que ele não fez - mas brilhou com assistências e fazendo o jogo fluir.

Essa foi uma Champions mais ainda de Messi do que as duas anteriores sob o comando de Pep Guardiola, quando o Barça ganhou um título (2009) e chegou a uma semifinal (2010).

O Barcelona caiu no Grupo D, uma chave relativamente fácil, com Panathinaikos, da Grécia, Rubin Kazan, da Rússia, e Copenhagen, da Dinamarca. Foram quatro vitórias e dois empates, 14 pontos, suficientes para ficar na primeira posição e garantir vaga nas oitavas ainda com uma rodada de antecipação.

A campanha começou com uma goleada de 5 a 1 sobre o Panathinaikos, o cartão de visitas do time afim de voltar à decisão. Os gregos saíram na frente, mas Messi fez dois gols e deu duas assistências, construindo a goleada. Depois, em momento importante da liga espanhola, Guardiola dediciu mandar um time reserva para a Rússia: empate em 1 a 1 contra o Rubin Kazan.

Vieram os dois jogos contra o Copenhagen, um adversário que acabou mostrando-se perigoso - ficaria com a segunda vaga do grupo, passando para as oitavas de final na primeira vez em sua história. Messi brilhou, para variar. Fez os dois gols da vitória em Barcelona e marcou o único do time no empate na Dinamarca. O jogo ficou marcado pela polêmica envolvendo o goleiro reserva Pinto. Com um assobio, ele simulou o apito do árbitro e enganou um jogador do Copenhagen, que desistiu de uma jogada de ataque. Pinto acabou suspenso pela Uefa.

A vitória por 3 a 0 sobre o Panathinaikos na Grécia, com dois gols de Pedro e um de Messi, carimbou a vaga para as oitavas. Depois, o time reserva fechou a primeira fase fazendo 2 a 0 sobre o Rubin Kazan.

Nas oitavas de final, o Barcelona acabou emparelhado contra o Arsenal e sofreu, em Londres, uma de suas raras derrotas na temporada. O time jogou bem e ganhava, com um gol de Villa, até os 33 minutos do segundo tempo. Mas Van Persie e Arshavin marcaram, o primeiro em uma falha de Valdés, o segundo em um rápido contra-ataque, e colocaram o time catalão contra a parede.

No jogo de volta, no Camp Nou, o Barcelona não teve nada perto da facilidade que tivera em 2010 para golear o Arsenal. Messi abriu o placar, mas um gol contra de Busquets empatou o jogo e colocou os Gunners em vantagem. Foi quando, de forma polêmica, o árbitro suíço Massimo Bussacca expulsou o atacante holandês Robin van Persie - já com amarelo, ele tocou uma bola para o gol em lance em que estava impedido. Bussacca alegou que Van Persie havia escutado o apito e mandou o atacante para a rua, para desespero do técnico Arsène Wenger.

Com um a mais, o Barcelona marcou com Xavi e Messi, vencendo por 3 a 1 e decidindo a eliminatória.

Nas quartas de final, o sorteio foi benevolente e colocou o ucraniano Shakhtar Donetsk no caminho dos catalães. No jogo de ida, os brasileiros Willian e Luiz Adriano chegaram a perder oportunidades que poderiam mudar a eliminatória. Mas o show foi de Messi no Camp Nou. O argentino não marcou, mas participou de três dos cinco gols no massacre que encaminhou a vaga na semifinal. De quebra, o melhor do mundo fez o gol da vitória na volta, em Donetsk.

A tão esperada semifinal contra o Real Madrid teve polêmica no jogo de ida, com a expulsão de Pepe por entrada em Daniel Alves e duras reclamações e acusações de José Mourinho após a partida. O pouco badalado reserva Afellay fez uma jogada para cima de Marcelo e cruzou para Messi marcar o primeiro, e o argentino fez um golaço para decretar o 2 a 0. No Camp Nou, Pedro e Marcelo marcaram no empate por 1 a 1. Vaga garantida para a grande decisão de Wembley.

Neste sábado, o Barcelona deu um banho de bola no Manchester United, venceu por 3 a 1 o atual campeão inglês e, no mesmo palco em que conquistou a Europa pela primeira vez, em 1992, ganhou seu quarto título continental. Com mais um show do craque argentino Lionel Messi.

A campanha:

14/09/2010
Barcelona 5 x 1 Panathinaikos

29/09/2010
Rubin Kazan 1 x 1 Barcelona

20/10/2010
Barcelona 2 x 0 Copenhagen

02/11/2010
Copenhagen 1 x 1 Barcelona

24/11/2010
Panathinaikos 0 x 3 Barcelona

07/12/2010
Barcelona 2 x 0 Rubin Kazan

16/02/2011
Arsenal 2 x 1 Barcelona

08/03/2011
Barcelona 3 x 1 Arsenal

06/04/2011
Barcelona 5 x 1 Shakhtar Donetsk

12/04/2011
Shakhtar Donetsk 0 x 1 Barcelona

27/04/2011
Real Madrid 0 x 2 Barcelona

03/05/2011
Barcelona 1 x 1 Real Madrid

28/05/2011
Barcelona 3 x 1 Manchester United (Wembley, Inglaterra)

Link:

http://espn.estadao.com.br/championsleague/noticia/194262_VIDEO+MESSI+FOI+O+DIFERENCIAL+DO+BARCELONA+NA+CONQUISTA+DA+CHAMPIONS+VEJA+TODOS+OS+GOLS#video

Barcelona Campeão da Liga dos Campeões de 1992!

Barcelona domina Manchester, mostra que é melhor time do mundo e conquista a Europa pela quarta vez!


Barcelona domina Manchester, mostra que é melhor time do mundo e conquista a Europa pela quarta vez

por Julio Gomes, de Londres (Inglaterra), para o ESPN.com.br

Josep Guardiola pode não querer comparações com os grandes times do futebol mundial, como o Santos de Pelé. O problema é dele, pois elas são inevitáveis. O Barcelona deu um banho de bola no Manchester United, venceu por 3 a 1 o atual campeão inglês e, no mesmo palco em que conquistou a Europa pela primeira vez, em 1992, ganhou seu quarto título continental.

É, também, a terceira Champions League do Barça em seis anos. Em três temporadas com Guardiola no comando, o clube conquista o seu décimo título em 14 possíveis. De quebra, Lionel Messi fez um de seus grandes jogos com a camisa do Barcelona e, com quase toda a certeza, será consagrado no fim do ano o melhor jogador de futebol do mundo pela terceira vez consecutiva. Em Wembley, um templo do futebol, fica decretado de uma vez por toda que estamos vendo uma era histórica no esporte: a era Barcelona.

Ontem, antes do jogo, Guardiola havia dito que, independentemente do resultado, era importante o Barcelona "mostrar seu futebol ao mundo, reafirmar seu estilo". O mosaico montado pela torcida catalã antes da torcida tinha uma enorme carga simbólica e dizia: "We Love Football", "Nós Amamos o Futebol". E é impossível não amar o jogo mostrado nesta noite de sábado na Inglaterra.

Nos primeiros dez minutos, o Manchester montou uma linha de marcação adiantada e obrigou Valdés a sair bem do gol duas vezes. Ajustadas as posições em campo, só deu Barcelona, que chegou ao primeiro gol com Pedro, após um daqueles já conhecidos passes impressionantes de Xavi. Mas o Manchester, um time muito forte (o domínio do Barcelona não pode ter como consequência um julgamento errado do United), conseguiu o empate. De um lateral para o Barça, a bola foi recuperada, Rooney tabelou com Carrick, com Giggs e marcou.

Alex Ferguson teve a chance de ouro de arrumar seu time no intervalo, um time que perdia muitas bolas no meio de campo e dava todo o espaço que o Barcelona tanto necessita. Não o fez. Logo no começo do segundo tempo, Messi teve todo o espaço entre as linhas defensivas para avançar, bater de fora da área e fazer 2 a 1. Seu gol de número 53 na temporada, igualando a marca de Cristiano Ronaldo. Depois disso, o Barça teve inúmeras chances até, afinal, marcar o terceiro com Villa. Um belo chute de fora da área, sem chances para o agora aposentado Van der Sar.

Era o ponto final na decisão. A partir daí, foi só esperar o jogo acabar. E o Barcelona, admirado por tantos, detestado por poucos, ainda conseguiu fazer uma homenagem. Puyol, que não jogou desde o início por problemas físicos, entrou aos 43 do segundo tempo para receber a faixa de capitão das mãos de Xavi. E levantar a Champions pela terceira vez.

O jogo

Logo no começo do jogo, a postura do Manchester United chamou a atenção. O time do técnico Alex Ferguson pressionou a saída de bola da equipe de Josep Guardiola e tentou encurralar o adversário em seu próprio campo de ataque. A primeira boa oportunidade saiu dos pés de Chicharito Hernández, que tentou o chute da entrada da área e foi travado aos três minutos.

Três minutos depois, aos seis minutos, Chicharito foi novamente acionado de frente para a grande área após bom passe de Wayne Rooney, mas a arbitragem já paralisava o lance marcando impedimento. Os Diabos Vermelhos continuaram em cima do Barça nos primeiros minutos e deram trabalho à defesa catalã, desfalcada do capitão Carles Puyol.

Aos nove minutos, o time inglês teve mais uma boa chance de abrir o placar em Wembley. Chicharito foi lançado, mais uma vez, o zagueiro Piqué demorou para decidir o lance, e o goleiro Valdés teve de sair do gol para dar um bico na bola e afastar o perigo. A resposta do Barça, sua primeira na partida, veio aos dez minutos: Messi fez boa jogada individual e lançou David Villa pela esquerda, mas Ferdinand travou na grande área.

Antes dos 15 minutos de partida, após a pressão inicial do United, o Barcelona passou a controlar mais a posse de bola no meio de campo pela primeira vez, mantendo sua característica principal.

O tricampeão espanhol chegou novamente com perigo aos 15 minutos: Daniel Alves arrancou bem pela direita, rolou para Messi, que logo acionou Xavi na área. O meio campista cruzou, mas Pedro Rodríguez não chegou a tempo. O time azul-grená já detinha maior posse de bola no jogo. Aos 17, Messi levantou a torcida em Wembley dando uma série de dribles antes de acionar Abidal pela esquerda. Era o primeiro grande lance do melhor jogador do mundo na decisão.

O Barcelona quase abriu o placar aos 19 minutos após uma ótima triangulação entre Messi, Xavi e David Villa. O atacante espanhol arriscou o arremate de frente para a área, mas a bola passou à esquerda do gol de Van der Sar. No minuto seguinte, o mesmo Villa recebeu na área pela direita e bateu cruzado, mas fraco, e o goleiro holandês segurou firme.

O ritmo do Barça continuou forte aos 21 minutos. Xavi disparou com a bola dominada da intermediária e rolou para Messi, mas Van der Sar saiu bem e evitou o primeiro gol da decisão. Após tanta pressão, o gol do time catalã, Xavi, de novo ele, dominou com categoria e lançou para Pedro pela direita. O atacante invadiu a área e chutou no cantinho de Van der Sar: 1 a 0.

O Manchester United esboçou voltar ao campo de ataque em uma cobrança de falta pela esquerda, mas Rooney levantou a bola na área, facilmente dominada pela zaga do Barça. Mas, aos 33, justamente no melhor momento do Barça na partida, Rooney iniciou a jogada pela direita, acionou Giggs, ligeiramente em posição de impedimento, e recebeu de volta, dominando com muita categoria e mandando no ângulo do gol de Valdés: 1 a 1, e decisão ficou aberta em Wembley na saída dos jogadores para os vestiários.

Antes do intervalo, no entanto, aos 43, Messi arrancou, rolou para Villa pela direita e se preparou para receber de volta, mas não alcançou a bola com um carrinho e perdeu a chance. O placar continuava igual.

2º tempo

Na etapa complementar, as duas equipes voltaram a campo com as mesmas formações do início da partida. A primeira arrancada do segundo tempo começou com o volante argentino Javier Mascherano, que, “à la” Daniel Alves, disparou com a bola pela direita e tentou o cruzamento. Mas Vidic afastou o perigo sem titubear.

O United não demorou muito para dar sua resposta. Aos três minutos, Rooney ganhou na dividida de Piqué, mas Mascherano se recuperou no lance e evitou que o time inglês ameaçasse o gol de Valdés. O Barcelona voltou a levar muito perigo aos seis minutos: Xavi deu passe milimétrico a Daniel Alves, que invadiu a área e chutou forte – Van der Sar fez bela defesa. No rebote, Messi chutou mal.

Mas o craque argentino desequilibrou a partida e colocou o Barcelona na frente aos oito minutos. Depois de receber passe de Iniesta, o camisa 10 azul-grená arriscou uma bomba de fora de área, no cantinho de Van der Sar, fazendo 2 a 1 para a equipe espanhola e alcançando o 12º gol na Uefa Champions League e seu 53º em toda a temporada. É o artilheiro do torneio e também da Europa em 2010/11, ao lado de Cristiano Ronaldo. De quebra, marcou seu primeiro gol na Inglaterra.

Depois que o Barcelona voltou a ficar em vantagem no placar, o United se lançou mais ao ataque, mas não conseguiu ameaçar o goleiro Valdés. O jogo também ficou mais duro, e Daniel Alves, pelo Barça, e Carrick, pelo Manchester, receberam os primeiros cartões amarelos após faltas violentas no meio de campo.

Enquanto isso, o panorama da partida ficava mais ao feitio dos catalães, que encontravam mais espaços para tentar liquidar a decisão. Como aos 16, de novo com Messi, pela esquerda, para a boa defesa de Van der Sar. Três minutos depois, o endiabrado argentino teve outra ótima oportunidade para ampliar a vantagem após receber passe de Daniel Alves e tentar de calcanhar. Outra pintura assinada por Messi em Wembley.

A fatura foi liquidada, enfim, aos 24 minutos. Lionel Messi voltou a fazer uma jogada espetacular pela direita, se livrando da marcação tripla da zaga do United. Após o bate-rebate, a bola sobrou limpa para David Villa na entrada da área. O atacante espanhol, em lance de genialidade, mandou no ângulo de Van der Sar e fez 3 a 1. O tetracampeonato europeu do Barça estava se concretizando em Londres.

No fim da partida, Guardiola tirou Daniel Alves e colocou o capitão Puyol em campo. Xavi passou a braçadeira para o defensor, que começou no banco de reservas, justamente para que ele levantasse a taça da Champions.

Até o apito final do árbitro Viktor Kassai, o time comandado pelo técnico Pep Guardiola continuou envolvendo o Manchester United e não deu a menor chance à equipe britânica sequer sonhar com o empate. A festa da torcida catalã, que estava em maior número e desde o início do jogo demonstrava mais otimismo, era grande no histórico Wembley. Barcelona, tetracampeão europeu. A Europa é do Barça mais uma vez. O mundo reverencia o melhor time do mundo.


FICHA TÉCNICA
BARCELONA 3 X 1 MANCHESTER UNITED

Local: Estádio de Wembley, em Londres (Inglaterra)
Data: 28/05/2011 (sábado)
Horário: 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Viktor Kassai (Hungria)
Auxiliares: Gabor Eros e Gyorgy Ring (ambos da Hungria)
Gols: Pedro (Barcelona), aos 21; Rooney (Manchester United), aos 33 minutos do primeiro tempo; Messi (Barcelona), aos 8, e David Villa (Barcelona), aos 24 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Daniel Alves e Valdés (Barcelona); Carrick e Valencia (Manchester United).
Público: 87.695 pessoas

BARCELONA: Valdés, Daniel Alves (Puyol), Piqué, Mascherano e Abidal; Busquets, Xavi e Iniesta; Messi, Pedro (Affelay) e David Villa (Keita).
Técnico: Josep Guardiola

MANCHESTER UNITED: Van der Sar, Fábio (Nani), Vidic, Ferdinand e Evra; Valencia, Carrick (Scholes), Giggs e Park; Wayne Rooney e Chicarito Hernández.
Técnico: Alex Ferguson

Link:

http://espn.estadao.com.br/championsleague/noticia/194284_BARCELONA+DOMINA+MANCHESTER+MOSTRA+QUE+E+MELHOR+TIME+DO+MUNDO+E+CONQUISTA+A+EUROPA+PELA+QUARTA+VEZ

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Calendário do futebol brasileiro precisa mudar!


O calendário do futebol brasileiro precisa mudar e o quanto antes.

E a prova disso é, como acontece em todos os anos, o início do Brasileirão, que é sempre prejudicado pelo fato de que a Copa do Brasil e a Taça Libertadores ainda não terminaram quando o mesmo começa.

Com isso, muitos clubes colocam times mistos ou reservas nas primeiras rodadas daquele que é o principal campeonato nacional de clubes do país. Foi o que aconteceu neste final de semana, com o Santos e o Avaí, por exemplo. O primeiro se classificou para a semifinal da Libertadores e já enfrentou uma maratona de jogos desde o início do ano. E o clube catarinense está na semifinal da Copa do Brasil, estando prestes a disputar aquele que é, com certeza, o principal jogo da sua história.

Logo, questiono: Seria tão difícil, assim, montar um calendário no qual a Copa do Brasil seria disputada ao longo de todo o ano (no meio de semana, quando não teríamos rodadas de outros campeonatos) e com os grandes clubes, da Série A do Brasileirão, entrando na disputa apenas a partir das oitavas-de-final?

Desta maneira, a Copa do Brasil teria a participação de todos os principais clubes de futebol, aumentando muito o interesse do público e da mídia.

E será que é tão difícil começar o Brasileirão depois de algumas semanas após o fim dos campeonatos estaduais (que deveriam ser encurtados, terminando, no máximo, no final de Março) e apenas depois que a Libertadores tiver se encerrado?

É claro que nada disso é difícil. Basta ter vontade de fazer e competência para isso.

Mas parece que ambas as 'mercadorias' estão em falta no momento.

domingo, 22 de maio de 2011

Primeira rodada do Brasileirão 2011 mostra que teremos um campeonato equilibrado!


Esta primeira rodada do Brasileirão 2011 mostrou que, mais uma vez, teremos um campeonato equilibrado.

Com a exceção do Flamengo (que enfrentou e goleou um Avaí bastante desfalcado e que se prepara para disputar o jogo mais importante da sua história, contra o Vasco, pela semifinal da Copa do Brasil) e do Atlético-MG, que ganhou com folga do seu xará paranaense, os demais jogos mostraram um certo equilíbrio.

O Corinthians mostrou capacidade de superação e derrotou o Grêmio, em pleno estádio Olímpico, de virada, por 2 X 1, com gols de Chicão e Liédson. Aliás, o Grêmio, que se cuide, pois seu time é muito fraco e corre o risco até de lutar para não cair caso não reforce o seu elenco.

O Palmeiras ganhou do Botafogo, por 1 X 0, jogando em casa. O Vasco ganhou do Ceará, sendo que ambos os times estão na semifinal da Copa do Brasil e não devem estar muito interessados no Brasileirão neste momento.

O São Paulo fez uma boa partida, principalmente no segundo tempo, e com ótimas atuações de Lucas e Dagoberto derrotou um fraquíssimo Fluminense, em São Januário, que não jogou nada contra o tricolor paulista. O Fluminense é outro time que precisa se reforçar urgentemente se quiser almejar algo mais neste Brasileirão.

Surpreendente foi a derrota do Cruzeiro para o Figueirense, em Santa Catarina. Será que a Raposa ainda não se recuperou da eliminação trágica para o Once Caldas na Libertadores? A conferir.

O Coritiba, que está priorizando a Copa do Brasil, perdeu do Atlétigo-GO, em Curitiba, e Santos e Inter não saíram de um empate em jogo na Vila Belmiro em que o time paulista jogou com reservas.

Neste primeiro momento, sendo ainda muito cedo para fazer qualquer prognóstico, eu diria que Santos, Internacional, Flamengo e Corinthians (contando com os reforços que estão chegando, é claro) tem os elencos mais fortes e despontam como favoritos.

O Brasileirão é um campeonato muito longo e desgastante e somente times com elencos equilibrados tem chances reais de ganhar o título e de ficar entre os primeiros colocados. É preciso ter bons jogadores não apenas entre os titulares, mas também entre os reservas, que entrem nos jogos e dêem conta do recado.

O Palmeiras (com o eterno chorão do Felipão), Cruzeiro, Fluminense (que dificilmente lutará pelo título, conquistado em 2010) e um conturbado São Paulo brigarão por vaga na Libertadores e, mais pela tradição, talvez lutem pelo título. Mas disputar uma vaga na Libertadores parece ser o máximo que conseguirão.

O Atlético-MG, que começou com uma boa vitória, e o Botafogo são incógnitas, mas podem brigar por vaga na Libertadores. Surpresas? Talvez os times de Santa Catarina, Avaí e Figueirense, possam surpreender, pelo menos em algum momento do campeonato. Quanto ao Vasco, não me parece ter elenco para conquistar muita coisa, não. Talvez lute por vaga na Sul-Americana.

Mas, vamos aguardar mais rodadas para ver se este cenário se confirma.

Resultados da 1a. rodada:

Grêmio 1 X 2 Corinthians
Palmeiras 1 X 0 Botafogo
Figueirense 1 X 0 Cruzeiro
Coritiba 0 X 1 Atlético-GO
Santos 1 X 1 Internacional
Flamengo 4 X 0 Avaí
Ceará 1 X 3 Vasco
Atlético-MG 3 X 0 Atlético-PR
Fluminense 0 X 2 São Paulo
América-MG 2 X 1 Bahia

De virada, Corinthians vence Grêmio no Olímpico

De virada, Corinthians vence Grêmio no Olímpico

Árbitro marcou dois pênaltis contestáveis na partida. Chicão e Liedson marcaram para o Timão, Douglas para o Tricolor

Gol Liedson - Grêmio x Corinthians (Foto: Ricardo Rimoli) Liedson marcou o gol da virada e sofreu o pênalti(Foto: Ricardo Rimoli)

LANCEPRESS! - Publicada em 22/05/2011 às 17:53 - São Paulo (SP)

De virada, o Corinthians venceu o Grêmio por 2 a 1, neste domingo, na estreia do Campeonato Brasileiro. Jogando no Estádio Olímpico, Douglas marcou, de pênalti, para o time da casa e Chicão, também em cobrança de penalidade, e Liedson marcaram para o Timão.

Ambos os pênaltis foram contestáveis. O lance sobre Leandro sequer foi dentro da área. O pênalti sobre Liedson foi um pouco mais claro e a chuteira do atacante até rasgou, mas, mesmo assim, os gremistas reclamaram muito da marcação do árbitro.

O primeiro tempo da partida foi morno, sem grandes lances de perigo, mas as duas equipes voltaram ligadas para a segunda etapa e deixaram a partida com um pouco mais emoção.

O JOGO

A partida começou com o freio de mão puxado e com muitos erros no meio de campo. Com deficiência nos passes, as jogadas de ataque de ambas as equipes esbarravam na defesa adversária. Além do que, o meio estava muito congestionado. Tanto Grêmio quanto Corinthians chegaram apenas nas bolas paradas.

A primeira jogada de perigo saiu apenas aos 19 minutos, em um escanteio batido por Douglas direto para o gol. Julio Cesar, atento, conseguiu fazer a defesa e espalmou a bola. O Tricolor Gaúcho continuava no ataque. Aos 29, Júnior Viçosa recebeu dentro da área e tentou um voleio, que saiu por cima do travessão.

A partir dai o Corinthians começou a crescer no jogo e tentou chutes de fora da área. O primeiro foi com Willian, que mandou para fora. Na sequência, Morais mandou nas mãos do goleiro Victor.

Com pouca criatividade no meio de campo e com a defesa do Corinthians muito fechada, o Grêmio persistia nas bolas paradas. Fábio Rochemback bateu falta de longe e quase surpreendeu o arqueiro do Timão.

Aos 38, Rodolfo saiu machucado. O zagueiro dividiu com Alessandro e prendeu o pé no chão e machucou gravemente o tornozelo. O atleta saiu do gramado chorando e foi levado diretamente para o hospital para fazer os exames. O departamento médico do clube disse que, pelo que foi visto, o jogador sofreu uma fratura no peronio do pé direito. Se confirmada a lesão, ele fica parado por volta de 45 dias.

Segundo tempo melhor...

Os dois times voltaram com mais vontade para o segundo tempo. Mesmo assim, os times chegaram poucas vezes na área no início da etapa complementar. O primeiro lance do Grêmio, por sinal, resultou em um pênalti contestável. Leandro Castán derrubou, fora da área, Leandro, que caiu dentro. Douglas foi para a cobrança e abriu o placar.

Após sofrer o gol, o Corinthians se mandou para o ataque. Após bate e rebate na área, a bola sobrou na esquerda para Luis Ramírez, que bateu cruzado. Em cima da linha, Neutou tirou de cabeça.

Na sequência, mais um pênalti duvidoso. Liedson foi derrubado por Lúcio. Chicão marcou na cobrança. O Timão seguia no ataque e o Grêmio não conseguia armar as jogadas de ataque. Após Danilo quase fazer, Liedson marcou o gol da virada. Alessandro bateu lateral para a área, Danilo escorou e Liedson mandou para o fundo da rede.

Mesmo com um segundo tempo melhor, os dois times tiraram o pé do acelerador após a virada do Corinthians e a partida voltou a ficar morna, como no início da partida.

Na próxima rodada, domingo, o Corinthians encara o Coritiba, na Fonte Luminosa, em Araraquara. No mesmo dia, o Grêmio viaja para encarar o Atlético-PR na Arena da Baixada.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 1 X 2 CORINTHIANS

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 22/5/2011 - 16h
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)
Auxiliares: Erich Bandeira (Fifa-PE) e Carlos Berkenbrock (Fifa-SC)
Renda/público: R$ 378.291,00 / 19.002 pagantes
Cartões amarelos: Luis Ramírez, Paulinho e Chicão (COR)
Cartões vermelhos: -
GOLS: Douglas, 13'/2ºT (1-0); Chicão, 20'/2ºT (1-1); Liedson, 27'/2ºT (1-2);

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon, Rodolfo (Escudero 38'/1ºT ) , Neuton; Fábio Rochemback, Adilson (Willian Magrão 33'/2ºT ), Lúcio e Douglas; Leandro e Júnior Viçosa (Lins 26'/2ºT ). Técnico: Renato Gaúcho.

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán, Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Luis Ramírez (Lins 34'/2ºT )e Morais (Danilo 10'/2ºT); Willian (Jorge Henrique 34'/2ºT ) e Liedson. Técnico: Tite.

Link:

http://www.lancenet.com.br/corinthians/virada-Corinthians-Gremio-estreia-Brasileiro_0_485351559.html