Time GRANDE!

Como você sabe que um time é Grande, mas GRANDE, mesmo? Quando os torcedores de TODOS os outros times torcem contra ele, oras!

Do proprietário deste blog, Marcos Doniseti.

sábado, 23 de julho de 2011

Com 7 jogadores de clubes de aluguel, São Paulo FC vira paraíso de empresários!

Com 7 jogadores de clubes de aluguel, São Paulo FC vira paraíso de empresários!

da Folha de S.Paulo

Com uma aposta em atletas jovens e política financeira apertada, o São Paulo se tornou a casa preferida dos jogadores de empresários.


Entre os 12 maiores times brasileiros, a equipe do Morumbi é a que mais possui atletas em seu elenco principal com contratos vinculados a clubes de fachada.

Dos 32 jogadores do seu grupo profissional, sete pertencem a esses times de aluguel. O Vasco, com seis nomes nessa situação, é quem mais chega perto do índice.

Segundo o vice de futebol são-paulino, João Paulo de Jesus Lopes, esse dado não é nada mais do que a prova de que os investidores veem o clube como um grande parceiro, uma ótima vitrine.

Mas isso reflete também a forma como o clube se comporta no mercado e tenta evitar os gastos. Para trazer o lateral direito paraguaio Iván Piris, do Cerro Porteño, recorreu à ajuda do grupo do empresário Gustavo Arribas, ligado ao iraniano Kia Joorabchian, presidente da MSI na parceria com o Corinthians.

Foi o fundo do argentino que pagou os US$ 3,6 milhões (R$ 5,6 milhões) pelo jogador, que será registrado no Deportivo Maldonado, um pequeno time uruguaio, e emprestado ao São Paulo.

"Para o jogador, não faz diferença. A questão é que a legislação da Fifa serve para proteger os clubes", diz Nick Arcury, empresário do atacante Willian José, que também é de Arribas.

Os clubes de aluguel são uma manobra de agentes e fundos de investimento para driblar a regulamentação da Fifa que permite que apenas times de futebol sejam donos dos direitos dos jogadores.

Equipes como Deportivo Maldonado, Desportivo Brasil, que pertence à Traffic, Tombense, do empresário Eduardo Uram, e Rentistas-URU, do agente Juan Figer, todas com jogadores no São Paulo, têm como função principal intermediar negociações para times que servirão como vitrine. E, assim, aumentar o lucro gerado por uma futura venda, de preferência para a Europa.

"É tudo legal. O parceiro privado quer o lucro, e nós desejamos o jogador. É uma forma de os dois ficarem contentes", afirma Jesus Lopes.

Segundo ele, o São Paulo só aceita uma parceria se ficar com pelo menos 20% dos direitos econômicos do jogador, permanecer com ele por um ano e meio e, principalmente, tiver a palavra final sobre uma eventual venda.

"Ganhamos dinheiro com os jovens formados aqui", completa o cartola, ressaltando que o time não costuma negociar parcelas dos direitos das crias de sua base para levantar dinheiro. (RR)

Link:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk2307201109.htm


Meu Comentário!

Quer dizer que, na hora do aperto, o tricolor paulista apela até para o Kia Joorabchian, é?

Nenhum comentário:

Postar um comentário