Time GRANDE!

Como você sabe que um time é Grande, mas GRANDE, mesmo? Quando os torcedores de TODOS os outros times torcem contra ele, oras!

Do proprietário deste blog, Marcos Doniseti.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Europa: Futebol cai junto com economia e patrocinadores desaparecem!

Europa: Futebol cai junto com economia

EUROPA
Em grave crise, Espanha e Itália sofrem para iniciar temporada


DE SÃO PAULO

Juntas, Espanha e Itália somam cinco títulos de Copas do Mundo, 14 de Mundiais de Clubes, 25 de Copas dos Campeões da Europa e incalculáveis problemas financeiros.

Afundados em dívidas, os dois países veem a crise econômica tomar conta do futebol e ameaçar duas das mais importantes ligas do mundo.

O Campeonato Espanhol, que começaria no último fim de semana, teve a primeira rodada adiada devido a uma greve de jogadores que temem levar calote dos clubes.

E, até ontem, a realização da segunda rodada continuava sob dúvida -a sexta reunião para tentar solucionar a questão terminaria depois do fechamento desta edição.

O início do Italiano, previsto para sábado, também corre risco de ser atrasado. Entre as razões da paralisação está uma lei criada pelo governo para aumentar a arrecadação nesses dias de crise.

Com dívidas públicas que juntas chegam a € 2,3 trilhões (R$ 5,3 trilhões) e o temor de que não conseguirão honrar seus compromissos, Espanha e Itália recorreram neste mês a auxílio de € 22 bilhões (cerca de R$ 51 bilhões) do BCE (Banco Central Europeu).

Mas esse dinheiro não aliviou a situação financeira do futebol dos países que venceram as duas últimas Copas.

Além da derrocada financeira do país, a Espanha sente o reflexo do modelo deficitário de distribuição de renda. Barcelona e Real Madrid recebem cerca de metade de todo o dinheiro pago pela TV para transmitir as duas primeiras divisões da liga.

E, enquanto a dupla crescia, as outras equipes se endividavam. A bolha estourou com a chegada da crise.

Com poucos recursos, os clubes têm atrasado salários e acumulam dívida de € 50 milhões (aproximadamente R$ 116 milhões) com os jogadores. A reivindicação dos grevistas é a adoção de medidas que lhes protejam disso.

A crise italiana é visível há mais tempo e não poupa nem os grandes. Na última edição do ranking dos times que mais faturam no mundo feito pela consultoria Deloitte, o primeiro do país, o Milan, aparece na sétima posição.

As equipes do calcio não conseguem diversificar as fontes de renda e são dependentes da verba da TV, que representa, em média, mais de 60% dos seus faturamentos -no Barcelona, só 36% da receita vem dos direitos.

Sem dinheiro, o futebol italiano tem perdido prestígio e força dentro de campo. Samuel Eto'o, astro da Inter de Milão, transferiu-se para um time russo, e o país perdeu a quarta vaga na Copa dos Campeões para a Alemanha.

Enquanto isso, os atletas tentam fazer com que os times sejam responsáveis por pagar uma nova taxa sobre trabalhadores com salários superiores a € 90 mil (R$ 208 mil) por ano. E cobram mais liberdade nas transferências.

Um novo encontro entre o sindicato dos jogadores e os clubes está marcado para a manhã de hoje. (RAFAEL REIS)

Link:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk2508201124.htm

Colapso faz patrocinadores desaparecerem

DE SÃO PAULO

Se a temporada 2011/12 do Espanhol começasse hoje, metade dos times da primeira divisão estrearia com uniformes sem patrocinadores.

Em tempos de crise econômica, 10 dos 20 clubes da elite da atual campeã mundial não recebem dinheiro para expor marcas nas camisas.

A falta de apoio atinge até mesmo equipes de expressão, como Sevilla, Valencia, Villarreal e Atlético de Madri. E faz os valores despencarem.

A Kia pagava € 11 milhões anuais (R$ 25,5 milhões) para ser a principal patrocinadora do Atlético, terceiro maior vencedor do país. Hoje, o time de Madri ficaria satisfeito se fechasse contrato por um terço do valor.

Segundo o jornal "Marca", as diretorias dos quatro clubes estão dispostas a abrir negociação se receberem propostas de € 3 milhões (R$ 7 milhões) -quase o mesmo que a cota firmada pelo Flamengo para só quatro meses.

Vivendo em um mundo paralelo dentro da Espanha, Barcelona e Real Madrid têm patrocinadores que pagam dez vezes mais que isso.

A soma dos valores que dois clubes ganham anualmente da Qatar Foundation, primeiro patrocinador no uniforme do Barcelona, e do site de apostas Bwin dá € 60 milhões (R$ 140 milhões).

Os outros oito clubes espanhóis que conseguiram apoio para esta temporada recebem bem menos: juntos, conseguem apenas€ 10 milhões (cerca de R$ 23 milhões). (RR)

Link:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk2508201125.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário