Time GRANDE!

Como você sabe que um time é Grande, mas GRANDE, mesmo? Quando os torcedores de TODOS os outros times torcem contra ele, oras!

Do proprietário deste blog, Marcos Doniseti.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Vídeo - José Silvério - Corinthians 1 X 0 Chelsea - HD 16/12/2012!

O povo tem que ser tão ativo quanto à torcida do Corinthians!


Is we, brother! - por José Roberto Torero, da Carta Maior


Ser campeão do mundo não é apenas uma vitória esportiva. É também um farol, um sinal. É como se disséssemos a nós mesmos que podemos ser tão bons quanto os melhores. E não só no futebol, mas também em educação, em saúde, em ciência, etc...

Acabo de chegar do estádio de Yokohama. Não há como não ficar um tanto ufanista. Não só pela vitória, mas pela garra, pela festa, pela torcida, pelo jogo bem jogado e, vá lá, pela vitória mesmo.

O futebol é o esporte mais amado do planeta. Os grandes clubes do chamado primeiro mundo (como se houvesse mais de um) gastam centenas de milhões de euros, ou, no caso, de libras esterlinas, para montar uma grande equipe. Ainda assim, o todo-poderoso Timão, com uma formação quase cem por cento nacional (tivemos a ajuda de um peruano e de um argentino), conseguiu superar os todo-poderosos europeus. 

Ser campeão do mundo não é apenas uma vitória esportiva. É também um farol, um sinal. É como se disséssemos a nós mesmos que podemos ser tão bons quanto os melhores. E não só no futebol, mas também em educação, em saúde, em ciência, etc... Mas para isso é preciso tratar estas coisas sem importância como tratamos o importantíssimo esporte bretão (sim, isso é ironia, aviso aos desavisados).

Se, assim como o Corinthians, tivéssemos um tanto mais de coragem, 
se perdêssemos nosso complexo de inferioridade em relação aos estrangeiros, 

se conseguíssemos fazer um certo planejamento, 

se pudéssemos ter um tanto mais de dinheiro, 

se nossa torcida fosse unida em torno de um time (esse item é bem importante),

e se tivéssemos um bom goleiro (esse também), 

poderíamos vencer os países mais ricos. E em vários sentidos. 

Educação, por exemplo.

Para um sujeito ser um bom jogador são necessárias algumas coisas que podem produzir também grandes cientistas, filósofos ou artistas. 

Para começar há a detecção e o direcionamento do talento. Do mesmo jeito que um bom técnico percebe se um garoto leva jeito para ser zagueiro, goleiro ou centroavante, um bom professor percebe se uma criança tem tendência para ciências, literatura (obrigado pelo incentivo, dona Maria das Graças) ou geografia. E a partir daí eles começam a ser estimulados na direção do seu talento. 

Tanto o jogador de futebol quanto um físico nuclear ou um filósofo devem ter muitos anos de preparação, e ela deve começar quando ele ainda é pequeno. Assim, o futebol de praia, de rua ou de várzea tem a mesma função dos primeiros anos de escola, e as categorias de base num clube podem ser bem parecidas com o segundo grau. Quanto à faculdade, corresponde à entrada no time profissional, o que coincidentemente acontece lá pelos 21 anos. 

As coisas melhorariam muito se o professor de verdade fosse tão bem tratado quanto os “professores” Tite, Luxemburgo e Muricy (não precisamos de salários de meio milhão de reais, mas um salário digno já seria uma ajuda e tanto), e, principalmente, melhorariam muito se a educação tivesse tanta atenção quanto o futebol. Quantos minutos temos sobre educação no Jornal Nacional e quantos minutos sobre futebol? 

Mas para que isso aconteça é preciso que a torcida pressione, que a torcida empurre o time, assim como faz a Fiel. E não só votando no dia da eleição do clube, ou do país. É preciso ir à beira do campo e gritar e agitar bandeiras.

O povo tem que ser tão ativo quanto à torcida do Corinthians.

As salas de aula só serão tão bem tratadas quanto os estádios quando a população se organizar e disser, com a mesma segurança que dizem os corintianos: “É nóis, mano!”

José Roberto Torero é formado em Letras e Jornalismo pela USP, publicou 24 livros, entre eles O Chalaça (Prêmio Jabuti e Livro do ano em 1995), Pequenos Amores (Prêmio Jabuti 2004) e, mais recentemente, O Evangelho de Barrabás. É colunista de futebol na Folha de S.Paulo desde 1998. Escreveu também para o Jornal da Tarde e para a revista Placar. Dirigiu alguns curtas-metragens e o longa Como fazer um filme de amor. É roteirista de cinema e tevê, onde por oito anos escreveu o Retrato Falado.

Link:


Presidente Lula manda mensagem à Fiel após o Timão vencer a Libertadores!

Corinthians 1 x 0 Chelsea - Final do Mundial de Clubes FIFA (16/12/2012; narração de Galvão Bueno)!

Corinthians é Bicampeão Mundial de Clubes da FIFA! - por Marcos Doniseti!

Corinthians é Bicampeão Mundial de Clubes da FIFA! - por Marcos Doniseti!


O Corinthians conquistou, de forma merecida, o segundo título Mundial de Clubes da FIFA, derrotando o poderoso Chelsea por 1X0, com gol do peruano Guerrero.

Valeu, Corinthians! 

O Timão conquistou, de forma totalmente merecida, e pela segunda vez, o título do Mundial de Clubes da FIFA. 

O Corinthians jogou melhor do que o Chelsea, principalmente no segundo tempo, quando Cássio quase não foi incomodado pelo time inglês. No primeiro tempo, os dois times haviam criado, pelo menos, três boas chances de gol cada um e o empate foi merecido.

Mas no segundo tempo, o Timão assumiu o comando da partida,  controlando a mesma, tomando a iniciativa do jogo, enquanto o Chelsea ficava se defendendo e tentando organizar jogadas de contra-ataque em velocidade e com penetrações.

Porém, o Corinthians estava bem organizado defensivamente e conseguiu barrar quase todas as jogadas do time inglês. 

Somente em uma oportunidade, antes do gol corintiano, durante o segundo tempo, o bom meia Hazard ficou na cara de Cássio, mas este fechou o gol e conseguiu impedir o gol dos ingleses.

Porém, o Timão soube transformar o seu domínio da partida em gol, numa bela jogada coletiva, da qual participaram Chicão, Jorge Henrique, Paulinho, Danilo e, finalmente, Guerrero que cabeceou para as redes, marcando o seu segundo gol neste Mundial de Clubes. Esta foi uma bela jogada que misturou raça e técnica. 

Depois do gol, o Corinthians soube se defender muito bem e foi bem-sucedido em impedir o gol do empate do Chelsea. Este teve duas chances, apenas, com Fernando Torres, que perdeu um gol na cara de Cássio, que defendeu de forma espetacular, garantindo a vitória corintiana. E o Chelsea ainda teve um gol anulado de maneira correta pelo árbitro, pois Torres estava impedido no lance. 

O ótimo jogador Mata (que foi bem marcado pelo Corinthians, tal como aconteceu com Hazard e Lampard) ainda fez uma última tentativa nos segundos finais da partida, mas já era tarde demais e o árbitro encerrou a partida na sequência, levando o Corinthians a conquistar, de forma merecida, o segundo título Mundial de Clubes da FIFA. 

Valeu, Corinthians! 

Links:

Imagens da conquista do Corinthians:

http://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/12234-corinthians-x-chelsea


Narração de Everaldo Marques:

http://radio.estadao.com.br/audios/audio.php?idGuidSelect=E0A705A45C2B4DE1BCC289AE7EF9FEA3

Narração de Nilson César (Rádio Jovem Pan):

http://jovempan.uol.com.br/esportes/golnet/2012/12/corinthians-1-x-0-chelsea---guerrero.html#.UM3sNLe5H4g.twitter

Narração de José Silvério (Rádio Bandeirantes):

http://www.youtube.com/watch?v=JfdBdBOR5S0

Narração de Oscar Ulysses (Rádio Globo):

http://www.youtube.com/watch?v=6wxVX-wX7J8

Narração de Eder Luís (Rádio Transamérica):

http://www.youtube.com/watch?v=6V6vRYR7fic


Narração de Milton Leite (Sportv):

http://www.youtube.com/watch?v=vge-W4EVmtI

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Corinthians e Chelsea decidem o Mundial de Clubes da FIFA 2012! - por Marcos Doniseti!

Corinthians e Chelsea decidem o Mundial de Clubes da FIFA 2012! - por Marcos Doniseti!


Como era de se esperar, Corinthians e Chelsea irão disputar a decisão do Mundial de Clubes da FIFA deste ano. 

O Timão fez o suficiente para derrotar o Al Ahly, dominando inteiramente a partida até o momento em que marcou 1 X 0, aos 29 minutos do primeiro tempo. 

Depois, o time brasileiro recuou e segurou o placar até o final, com Cassio virtualmente não sendo exigido, a não ser em cruzamentos sobre a área, visto que as finalizações do time do Egito iam todas para fora. 

Algumas coisas ficaram bem claras nesta semifinal: Emerson está fora de forme e sem ritmo de jogo, devido aos períodos em que ficou afastado neste segundo semestre, no qual ele pouco jogou. 

Além disso, Douglas jogou mal, embora tenha sido o responsável por cruzar a bola para Guerrero marcar o gol da vitória corintiana. Mas ele errou quase todos os lances dos quais participou. 

E e em função destas más atuações de Emerson e Douglas, o Corinthians pouco penetrou na defesa do Al Ahly. E um outro motivo disso é que o time estava muito lento no ataque. Em várias oportunidades, Danilo e Paulinho ficaram em condições de passar a bola para um atacante, mas ninguém se apresentou. 

Assim, claramente o Corinthians sentiu faltas de jogadores rápidos no ataque, que se movimentassem bastante e dessem opções de jogada para finalizar ou fazer uma tabela. 

Tite percebeu isso e tirou Douglas e Emerson (que, como já disse, jogaram muito mal), colocando Jorge Henrique e Romarinho no segundo tempo. Depois disso, o Corinthians subiu de produção e passou a criar jogadas de contra-ataque, o que não estava acontecendo, chegando perto de marcar o segundo gol, principalmente num lance em que Paulinho foi travado no exato instante em que iria finalizar. Romarinho, por sua vez, começou a incomodar bastante a defesa do time do Egito. 

Mas, nessa altura da partida, o time há havia recuado muito e quase não ia mais para o ataque, com receio de sofrer o gol de empate. 

Desta maneira, o Corinthians jogou, claramente, para vencer a partida, não se preocupando em jogar bonito ou em dar espetáculo, procurando apenas em garantir a sua presença na decisão, no próximo domingo. De fato, isso era o principal no jogo contra o Al Ahly, mas o Timão terá que melhorar muito se quiser conquistar o seu segundo título do Mundial de Clubes da FIFA. 

Com certeza, o time sentiu a pressão de vencer o jogo e isso afetou negativamente o desempenho do time, mas agora que já está garantido na grande decisão o Timão terá que jogar bem e se superar para poder derrotar o Chelsea. 

Já o time inglês derrotou o fraco Monterrey com facilidade, por 3 X 1, mostrando que é muito superior ao time mexicano. Este até criou chances de gol, mas não soube aproveitá-las. Aliás, se o Chelsea permitir que o Corinthians crie tantas oportunidades, poderá vir a ser derrotado na final.

Além disso, alguns pontos fracos do time inglês ficaram bem evidentes, como o lateral-direito, Azpilicueta, que levou um baile do ponta-esquerda mexicano, principalmente no primeiro tempo, e em várias oportunidades o Chelsea não soube o que fazer quando o time mexicano marcou pressão a saída de bola.

O sistema defensivo do time inglês também permitiu que o fraco time mexicano criasse várias oportunidades de gol, mas o mesmo não soube aproveitá-las. Mas, com certeza, esse é um aspecto que o Chelsea terá que corrigir caso deseje ganhar do Corinthians, que é bem superior ao Monterrey. 

Com certeza, Tite deve ter percebido essas falhas do time inglês e deverá tentar explorá-las na grande decisão do próximo domingo, que tem tudo para ser um excelente jogo e cujo resultado final é imprevisível.